Em 2019 o tema criptomoeda causou mais uma polêmica – a criptomoeda do Facebook. O projeto Libra foi alvo de declarações do presidente dos EUA, Donald Trump, atacando o bitcoin e a Libra, moedas virtuais. 

O que é a Libra?

A criptomoeda do Facebook, de acordo com o site oficial da organização, tem como objetivo criar um novo sistema monetário global, desenhado para a era digital e que seja simples e rápido, sendo utilizado como meio de pagamento e transferência de valores entre pessoas do mundo todo, empoderado pelo uso da tecnologia blockchain, que conferirá ao sistema segurança e acessibilidade.

Existem dois fatores importantes deste projeto: 

1- A intenção de lastrear a Libra a uma reserva de ativos estruturada para que haja a preservação do capital e liquidez, ou seja, um fundo de títulos públicos emitidos por governos estáveis com um volume diário significativo de negócios, resultando em baixa volatilidade e alteração de valores. 

2- O modelo de organização é baseado na associação de diversas empresas e agentes privados, ou seja, está muito bem acompanhado de gigantes como MasterCard, Visa, PayPal, Vodafone, eBay, Spotify, Uber e ainda empresas de capital de risco, organizações internacionais e sem fins lucrativos e por fim instituições acadêmicas. Porém, com as dificuldades e instabilidades, a grande maioria saiu da associação. 

As dificuldades da criptomoeda do Facebook

Após meses de forte pressão, o projeto de criptomoeda do Facebook está sofrendo alterações. De acordo com o relatório da The Information não pretende mais fazer com que o token Libra seja a peça central de sua estratégia de pagamentos digitais. Em vez disso, o projeto Libra do Facebook fará a transição para apoiar as moedas existentes apoiadas pelo governo, como o dólar americano e o euro, e o símbolo Libra quando ele estiver concluído e pronto para o lançamento.

Além disso, ainda de acordo com o The Information, o Facebook está adiando o lançamento de sua carteira digital Calibra separada e com disponibilidade restrita. A Calibra seria uma vitrine principal para a tecnologia Libra, permitindo que qualquer pessoa com um smartphone adquira e armazene a criptomoeda e depois pague por várias mercadorias com ela. A carteira agora suporta várias moedas, das quais Libra será apenas uma.

O Facebook criou uma organização sem fins lucrativos, chamada Libra Association, e incluiu outras 27 empresas e organizações sem fins lucrativos. Esse grupo, com sede em Zurique, na Suíça, foi encarregado de supervisionar o desenvolvimento da criptomoeda, bem como a rede de blockchain que a apoiaria. 

O projeto começou a ter dificuldades sérias no outono passado, quando a pressão regulatória e a falta de resposta firme do Facebook e de seus vários defensores da Libra levaram as grandes empresas a saírem da Associação Libra em rápida sucessão. Desde então, o chefe de blockchain do Facebook, David Marcus, moderou as metas gerais do projeto ao falar publicamente sobre isso. Agora, o The Information informa que está finalmente se traduzindo em atrasos e medidas de produtos destinados a, aparentemente, apaziguar os reguladores.

 

Fonte