Os últimos meses trouxeram à normalidade alguns hábitos e regras que antes julgávamos “exagerados” ou até dispensáveis. Passar álcool em gel nas mãos quando se está em espaços públicos, higienizar os alimentos e produtos que trazemos do mercado, manter certa distância entre as pessoas e, acima de tudo, usar máscara ao sair de casa. Quando você imaginou que isso se tornaria comum no dia a dia? Talvez na mesma época em que pensou que o marketing digital se tornaria essencial para o seu negócio: pouco tempo atrás!

Fato é que, com as medidas de isolamento e a necessidade de ficar em casa para a segurança de todos, as empresas e muitas outras instituições em todo o mundo precisaram experimentar a migração digital, isso é, inserir seus negócios no meio online, seja com sites, redes sociais, blogs ou a adoção do trabalho remoto – como nós aqui na Solare estamos fazendo desde março! No meio de todas essas mudanças, o marketing digital chega com grande destaque, se mostrando uma solução vantajosa em ascensão.

Digital: a “nova máscara” do marketing

O uso do marketing digital em si não é a novidade. Antes de todo esse turbilhão de reformulações estratégicas começar, muitas empresas já conheciam e até entendiam a importância de ter uma boa estrutura online para expandir os alcances do seu negócio. Porém, com a chegada do coronavírus, o que era “opcional” passou a ser uma necessidade, o que deixou as distinções entre marketing on e off cada vez mais frágeis – e desnecessárias.

Cada dia mais o marketing digital vem deixando de ser um “braço” do time de Marketing e se tornando uma parte integral dos planos de comunicação, atuando em conjunto com as demais ferramentas. De fato, em um momento onde abordar os leads pessoalmente coloca em risco não apenas a saúde dos envolvidos como também a sua reputação diante do público, usar a Internet para conquistar novos clientes se provou fundamental.

Entre as principais mudanças que podemos enxergar, algumas são mais óbvias e outras menos, como:

1) Novos modelos de negócio

Se antes usávamos siglas como B2B (business to business) para nos referirmos à comunicação entre empresas e o B2C (business to costumer) para empresas e consumidores, a pandemia trouxe uma nova modalidade – muito mais empática e solidária – o H2H, human to human. Sobretudo para áreas do comércio e tecnologia que se tornaram essenciais para o dia a dia da população, a compreensão de que estamos falando com pessoas, independente de serem outros negócios ou clientes finais, é não só necessária como desejável. Mais do que nunca, precisamos humanizar nossas relações.

2) Concorrência qualificada

Sua empresa de entregas já tinha um perfil no Instagram antes de a pandemia começar. Mas, quando ela chegou, vieram junto os seus concorrentes, todos procurando expor nas redes sociais os serviços que oferecem, além de encantar os clientes com conteúdos interessantes e realmente úteis. Essa é a realidade: o crescimento de contas comerciais nas mídias digitais faz com que as empresas tenham cada vez mais criatividade e comprometimento para produzir conteúdos relevantes, que atraiam a atenção do público em meio aos demais e encantem seus leads logo no primeiro contato

3) Maior interação com o cliente

Não apenas os setores de atendimento precisaram, de um dia para o outro, se adaptar ao trabalho remoto: os profissionais de marketing envolvidos com redes sociais e outras mídias digitais se depararam com um contato muito mais próximo e orgânico com seus leads. Agora mais do que nunca, o público está recorrendo ao DM, às mensagens inbox, chats no site e comentários em posts para entrar em contato mais rapidamente com as empresas. É preciso estar preparado para responder, ajudar e engajar essas pessoas!

4) Dá-lhe Marketing de Conteúdo!

Como dissemos nos itens acima, o aumento da concorrência no meio digital e a necessidade de atrair a preferência do público faz com o Marketing de Conteúdo seja uma das maiores “armas” para se usar, não apenas nesse momento, mas em toda sua estratégia de comunicação. Essa atividade consiste em produzir materiais que vão agregar conhecimento, solucionar problemas, ensinar coisas novas e, além de tudo, preparar o seu lead para o momento da compra. 

5) Protagonismo dos usuários

As redes sociais, embora tenham seus algoritmos e estratégias básicas de planejamento, contam com um fator altamente imprevisível e que tem conquistado o protagonismo nos últimos anos: os usuários. Nunca sabemos quando alguém será “cancelado”, um novo “meme” será descoberto ou uma campanha surgirá em favor de alguma causa. Entender que estamos lidando com pessoas envolve ser empático, mas vai além: é saber que do outro lado há pessoas informadas, exigentes e conscientes!

Por isso é essencial saber se adaptar às mudanças e revoluções que, muitas vezes, começam nas redes sociais – como a adoção de uma linguagem mais neutra e não violenta, a abolição de termos racistas e tantas outras pautas. Ter um posicionamento bem definido de quem é sua empresa, o que ela apoia e o que não tolera é mais importante do que nunca! Saber se retratar quando necessário e manifestar sua opinião sobre assuntos pertinentes é o básico a fazer em uma sociedade cada vez mais “sensata”.

Aqui abrimos espaço para a criatividade e um pouco de “molejo”. Estamos falando muito sobre as “novas faces” do marketing digital: já parou para pensar em quantas pequenas mudanças muito significativas foram feitas durante essa pandemia, que trouxeram um sentimento de acolhimento para o público e de humanização para as marcas? Sim, estamos falando dos logos que adotaram máscaras ou distanciamento social como símbolo de apoio à luta contra o COVID-19. Simples e eficaz!

Novos caminhos no pós pandemia

Talvez o uso de máscaras seja passageiro, talvez não… Mas uma coisa é certa: as mudanças que esse momento social e econômico trouxeram para o marketing digital vieram para ficar! A transformação nas relações entre consumidores e fornecedores, que foi acentuada nesse momento, tende a evoluir para algo cada vez mais pessoal, personalizado e direto. Alguns exemplos dessa tendência são:

  • A valorização dos valores – Seu produto já não é mais “o suficiente”. Mais do que os serviços que você vende, o público está interessado em saber quais valores defende, qual é a missão da sua empresa, como é seu ambiente de trabalho, quais cuidados tem com seus colaboradores e suas famílias, o impacto social causado pelo negócio, entre outros elementos de valor agregado. As redes sociais estão aí para te ajudar a compartilhar essas informações com sua audiência.
  • Busca por experiências – Processos de compra “traumáticos”, burocráticos, complicados e sem qualquer cuidado com os clientes não têm mais espaço no mercado. Um dos benefícios do marketing digital – e das constantes otimizações dos espaços online – é a possibilidade de oferecer experiências cada vez mais agradáveis, intuitivas e vantajosas para o público – seja na interação com seus posts, na compra de produtos ou fazendo pesquisas em seu site.

Conclusão

Adaptar o seu negócio ao novo funil de vendas (muito mais fluído e horizontal, onde toda interação com o clientes nas mídias digitais é uma oportunidade de conversão) pode parecer desafiador – e é mesmo! É necessário muito planejamento, estudos e sensibilidade para entender e internalizar as mudanças que estão acontecendo na sociedade ao redor da sua empresa.

Se quiser saber mais sobre essa e outras estratégias de marketing digital, ou se tiver mais alguma dúvida, você pode entrar em contato com a Solare Interativa, uma empresa especializada em gestão de marca e campanhas de performance, através do formulário abaixo: